ASSOCIE SUA MARCA À CULTURA

INCENTIVO CULTURAL (Lei Estadual de Incentivo à Cultura e Rouanet)
Para incentivo cultural entre em contato pelo email: institutociabelladeartes@gmail.com ou iccba@hotmail.com

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Quinta 31 / maio - CASTRO ALVES é homenageado no SARAU DE POESIA




DATA: 31 / Maio / 2012, quinta - feira

HORÁRIO: 20 horas

LOCAL: Instituto Cultural Companhia Bella de Artes

Rua Prefeito Chagas, 305 – PL, Edifício Manhattan

Poços de Caldas – MG – Tel (35) 3715.5563



Nesta quinta feira o Instituto Cultural Companhia Bella de Artes homenageia CASTRO ALVES, no tradicional Sarau de Poesia, que neste mês conta com a curadoria do jornalista ROBERTO TEREZIANO. Os presentes podem subir ao palco para declamar poesias, interpretar, cantar, dançar, enfim, o palco estará aberto.



Frederico de Castro Alves, era baiano nascido em Curralinho em 14 de março de 1847, na fazenda de Cabaceiras.



Suas poesias mais conhecidas são marcadas pelo combate à escravidão, motivo pelo qual é conhecido como “Poeta dos Escravos”. Em Recife era tribuno e poeta sempre requisitado nas sessões públicas da Faculdade, nas sociedades estudantis, na plateia dos teatros, incitado desde logo pelos aplausos e ovações, que começava a receber e ia num crescendo de apoteose. Era um belo rapaz, de porte esbelto, tez pálida, grandes olhos vivos, negra e basta cabeleira, voz possante, dons e maneiras que impressionavam a multidão, impondo-se à admiração dos homens e arrebatando paixões às mulheres. Ocorrem então os primeiros romances, que nos fez sentir em seus versos, os mais belos poemas líricos do Brasil.

Teve fase de intensa produção literária e a do seu apostolado por duas grandes causas: uma, social e moral, a da abolição da escravatura; outra, a república, aspiração política dos liberais mais exaltados. Data de 1866 o término de seu drama Gonzaga ou a Revolução de Minas, representado na Bahia e depois em São Paulo, no qual conseguiu consagrar as duas grandes causas de sua vocação. No dia 29 de maio, resolveu partir para Salvador, acompanhado de Eugênia. Na estreia de Gonzaga, dia 7 de setembro, no Teatro São João, foi coroado e conduzido em triunfo.

Em janeiro de 1868, embarcou com Eugênia Câmara para o Rio de Janeiro, sendo recebido por José de Alencar e visitado por Machado de Assis. A imprensa publica troca de cartas entre ambos, com grandes elogios ao poeta. Em março, viajou com Eugênia para São Paulo. Decidira ali – na Faculdade de Direito de São Paulo - continuar seus estudos, e se matriculou no terceiro ano.

Continuou principalmente a produção intensa dos seus poemas líricos e heroicos, publicados nos jornais ou recitados nas festas literárias, que produziam a maior e mais ruidosa impressão; tinha 21 anos, e uma nomeada incomparável na sua geração, que deu entretanto os mais formosos talentos e capacidades literárias e políticas do Brasil; basta lembrar os nomes de Fagundes Varela, Ruy Barbosa, Joaquim Nabuco, Afonso Pena, Rodrigues Alves, Bias Fortes, Martim Cabral, Salvador de Mendonça, e tantos outros, que lhe assistiram aos triunfos e não lhe disputaram a primazia. É que ele, na linguagem divina que é a poesia, lhes dizia a magnificência de versos que até então ninguém dissera, numa voz que nunca se ouvira, como afirmou Constâncio Alves. Possuía uma voz dessas que fazem pensar no glorioso arauto de Agamenos, imortalizado por Homero, Taltibios, semelhante aos deuses pela voz…, como disse Rui Barbosa. Pregava o advento de uma "era nova", segundo Euclides da Cunha.

A 7 de setembro de 1868, fez a apresentação pública de Tragédia no mar, que depois ganharia o nome de O Navio Negreiro. No dia 25 de outubro, foi reapresentada sua peça Gonzaga no Teatro São José.

Em março de 1869, matriculou-se no quarto ano do curso jurídico, mas a 20 de maio, tendo piorado seu estado, decidiu viajar para o Rio de Janeiro, onde seu pé foi amputado em junho. No dia 31 de outubro, assistiu a uma representação de Eugénia Câmara no Teatro Fênix Dramática. Ali a viu por última vez, pois a 25 de novembro decidiu partir para Salvador. Mutilado, estava obrigado a procurar o consolo da família e os bons ares do sertão.

Em fevereiro de 1870 seguiu para Curralinho para melhorar a tuberculose que se agravara, viveu na fazenda Santa Isabel, em Itaberaba. Em setembro, voltou para Salvador. Ainda leria, em outubro, A cachoeira de Paulo Afonso para um grupo de amigos, e lançou Espumas flutuantes. Mas pouco durou.

Sua última aparição em púbico foi em 10 de fevereiro de 1871 numa récita beneficente. Morreu às três e meia da tarde, no solar da família no Sodré, Salvador, Bahia, em 6 de julho de 1871.

Seus escritos póstumos incluem apenas um volume de versos: A Cachoeira de Paulo Afonso (1876), Os Escravos (1883) e, mais tarde, Hinos do Equador (1921).

É patrono da cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras.

terça-feira, 22 de maio de 2012

LIXO EXTRAORDINÁRIO NO CINEBLUBE DO ICCBA


Local: Instituto Cultural Companhia Bella de Artes

Rua Prefeito Chagas, 305 - andar PL

informações: (35) 3715.5563

Horário: 20h

ESPERAMOS VOCÊ!!!


Filmado ao longo de dois anos (agosto de 2007 a maio de 2009), Lixo Extraordinário acompanha o trabalho do artista plástico Vik Muniz em um dos maiores aterros sanitários do mundo: o Jardim Gramacho, na periferia do Rio de Janeiro. Lá, ele fotografa um grupo de catadores de materiais recicláveis, com o objetivo inicial de retratá-los. No entanto, o trabalho com esses personagens revela a dignidade e o desespero que enfrentam quando sugeridos a reimaginar suas vidas fora daquele ambiente. A equipe tem acesso a todo o processo e, no final, revela o poder transformador da arte e da alquimia do espírito humano.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

TRABALHAR CANSA, de Marco Dutra e Juliana Rojas e o filmes da terça, 15 de maio, no projeto LUZ CÂMERA E REFLEXAO



Local: Instituto Cultural Companhia Bella de Artes
Rua Prefeito Chagas, 305 - andar PL
informações: (35) 3715.5563 
Horário: 20h
ESPERAMOS VOCÊ!!!


TRABALHAR CANSA – O filme tem a direção de Juliana Rojas e Marco Dutra e mostra uma inversão de papéis entre Otávio, que perde o emprego e não tem mais como sustentar sua família e Helena, sua mulher. Na mesma época em que perde seu emprego, sua mulher acaba abrindo um negócio e assumindo as responsabilidades de arcar com as despesas da casa. Ela se torna o chefe da casa, trabalhando o dia todo e ele passa a fazer algumas tarefas domésticas, alternando com alguns bicos.

O relacionamento do casal acaba passando por uma crise, que irá alternar entre as relações pessoais entre os dois e envolver um funcionário do negócio de Helena e a empregada do casal. Acontecimentos estranhos, inexplicáveis, também irão fazer parte da trama, com um toque de “sobrenatural”, levando A corromper as relações pessoais sociais e trabalhistas entre os personagens. 

Gênero – Drama/Nacionalidade – Brasileira/Ano de produção – 2011.

A curadoria do cineclube é dos professores Lucas Marciano e Rozana Maris Faro, com colaboração do professor Hevisley Ferreira. O cineclube do ICCBA é parceria com o Sinpro (Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais) e a UJS. A idade mínima recomendada para assistir aos filmes é de 18 anos. O Instituto Cultural Cia Bella de Artes fica à Rua Prefeito Chagas, 305, Pilotis, Centro Empresarial Manhattan. Mais informações: 3715-5563.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Encarte Musical e Rodrigo Lee apresentam: Elementos e Léo Pac



  

O Encarte Musical é um evento criado pelo Instituto Cultural Cia Bella de Artes e o músico Rodrigo Lee, que visa a divulgação de trabalhos autorais e acontece no Teatro Nicionelly Carvalho da Cia Bella de Artes (Edf. Manhattan) na segunda quinta feira de cada mês. O evento de maio (10/05) contará com a presença do grupo Elementos e o cantor Léo Pac.

Formado em 2009, o grupo de Rap/Hip Hop Elementos conta com os MC’s: G9 (Gianlucca), Dough (Douglas), Cirilo (Júlio César) e Castor (Robson). 

Com muitas influencias dentro do estilo Hip Hop e parte dentro de outros gêneros musicais, o grupo se desenvolve e evolui diariamente dentro do mercado, visando alcançar muito mais do que já tem.

Os Beats são produzidos por Dough (MC e Beatmaker), também integrante do grupo, a maioria usando samples variados o que é uma característica do grupo.

Uma rima ágil é o que resume o rap feito pelo sul-mineiro Leopac. Com letras politizadas e modernas, o jovem criado em Poços de Caldas cresceu ouvindo música negra e através do Funk Original, ainda nos anos 1980, sentiu vontade de ingressar na cultura Hip-Hop. Com o single ‘Chicote Estrala’ já lançado, que precede o primeiro EP gravado sozinho após quase oito anos na estrada do rap, ele se prepara para gravações e participações em mixtapes.

O primeiro EP do rapper vem com nove faixas. As letras falam sobre as experiências do jovem. Dentro das nove faixas, duas produções ficaram por conta do DJ Duh de Campinas e o restante das produções são de Pac.

A apresentação começará às 20:00h. Maiores informações no telefone 3715-5563.

terça-feira, 8 de maio de 2012

TERÇA 08 / 05 - TEMPOS MODERNOS, de Charles Chaplin, no projeto LUZ, CAMERA E REFLEXÃO



Filme produzido e dirigido por Charles Chaplin em 1936. O filme, em preto e branco, é o último filme mudo que foi produzido por Chaplin. A história se passa nos Estados Unidos pós crise de 1929, fato esse que acabou levando o país à Grande Depressão. Uma das consequências da grande recessão econômica, foi o surgimento de uma massa de desempregado e milhões de pessoas esfomeadas. No período pós crise de 1929 houve uma grande queda na produção industrial nos Estados Unidos. Empresas e bancos faliram, demitindo seus funcionários e agravando ainda mais a situação econômica e social. A crise repercutiu mundo afora, inclusive no Brasil.
O modelo de sociedade urbana que começava a vigorar na época passava pela industrialização. Como característica dessa industrialização observamos que no período a base do sistema de produção eram as linhas de montagens nas fábricas, gerando uma aceleração na produção e nas relação de trabalho. As máquinas acabaram fazendo o trabalho de muitos homens. Além disso, as pessoas passaram a se especializar em determinada etapa da produção, já que isso diminuia o tempo gasto de deslocamento para a etapa seguinte, consequentemente gerando ainda mais lucro para o dono da fábrica. Um importante momento do filme no que se refere à rapidez na produção é retratado no comedor para os funcionários, que visa diminuir o tempo de refeição para apenas 15 minutos, consequentemente fazendo o operário trabalhar mai s.
É nesse contexto da história que o personagem de Chaplin acaba conseguindo trabalho numa indústria. Como proletário, ele tem que vender a sua força de trabalho. Na empresa ele passa a liderar um movimento grevista, tornado-se lider do movimento e sendo perseguido por isso. Apaixona-se pela “mocinha” do filme, que faz uma critica clara a modernidade, onde o que se quer é o lucro não importando de que maneira ele seja conseguido.
Todo esse sistema de produção, atrelado à crise econômica, acaba gerando imensas desigualdades sociais e a concentração de renda na mãos de uma pequena parcela da população. Há também retratos da luta de classe entre o operariado e o dono dos bens de produção. É um retrato do modernidade e da aceleração do tempo. Vale a pena assisitir.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

AGENDA - maio / 2012




BIBLITECA DAS ARTES

É isso mesmo, a BELLA DE ARTES acaba de contratar uma atendente que espera sua visita na BIBLIOTECA DAS ARTES. A partir do dia 14 de maio, de segunda a sexta das 14h às 20h, e aos sábados das 14h ás 18h. A BIBLIOTECA é especializada, com livros sobre fotografia, arquitetura, dança, música, teatro, tudo relacionado às artes. Esperamos sua visita!!!


PROJETO LUZ, CÂMERA E REFLEXÃO

As sessões do cineclube deste mês tem o tema MÊS DO TRABALHO. Sempre com entrada franca, rolam às terças, às 20:00 horas, no Teatro Nicionelly Carvalho, no ICCBA. A curadoria é do professor Lucas Marciano e da historiadora Rozana Faro. A idade mínima recomendada para assistir aos filmes é de 18 anos. O Instituto Cultural Cia Bella de Artes fica à Rua Prefeito Chagas, 305, Pilotis, Centro Empresarial Manhattan. Mais informações: 3715-5563.
MAIO – CICLO ESPECIAL
MÊS DO TRABALHO

Dia 08 - Tempos Modernos – de Charles Chaplin
Dia 15 - Trabalhar Cansa – de Marco Dutra e Juliana Rojas
Dia 22 - Lixo Extraordinário – de Lucy Walker e Vik Muniz
Dia 29 - Quebradeiras – de Evaldo Mocarzel


PROJETO ENCARTE MUSICAL
O Encarte Musical é um evento criado pelo Instituto Cultural Cia Bella de Artes com curadoria do músico Rodrigo Lee, que visa a divulgação de trabalhos autorais. Acontece no Teatro Nicionelly Carvalho, na sede da Cia Bella de Artes à Rua Prefeito Chagas, 305, Pilotis, Centro Empresarial Manhattan. A apresentação este mês será no dia 10, às 20:00h, com a apresentação de ELEMENTOS E LÉO PAC, som RAP / HIP HOP.

Mais informações no telefone 3715-5563.



PROJETO SARAU DE POESIA

Palco aberto para os presentes se apresentarem recitando uma poesia, cantando, dançando ou atuando. O homenageado deste mês é CASTRO ALVES, noite especial em celebração ao mês de libertação dos escravos. Contaremos com a especial curadoria do jornalista ROBERTO TEREZIANO. Na quinta feira, 31/05, às 20h no Teatro Nicionelly Carvalho - Instituto Cultural Companhia Bella de Artes - Rua prefeito Chagas, 305 - Centro - Edifício manhattan.
Mais informações 935) 3715.5563.





OFICINA DO PALCO

A OFICINA DO PALCO, utilizando o “Método dos Menestréis”, desenvolvido por Oswaldo Montenegro e que ainda nos dias de hoje é amplamente usado, tendo como princípio básico abolir o medo de errar. São vários exercícios de teatro que quando aplicados, reforçam, sobretudo, a ideia de que a intuição deve ser a mola mestra de toda e qualquer arte. A duração desta primeira oficina é de 36h (3 meses) com vagas limitadas. Os professores Zé Alexandre e Morgana Bittencourt têm ampla experiência no tema, tendo trabalhado com Oswaldo Montenegro em músicas e peças. Informações: (35) 3715-5563.