ASSOCIE SUA MARCA À CULTURA

INCENTIVO CULTURAL (Lei Estadual de Incentivo à Cultura e Rouanet)
Para incentivo cultural entre em contato pelo email: institutociabelladeartes@gmail.com ou iccba@hotmail.com

domingo, 27 de março de 2011

1º de abril de 2011 - Sexta-Feira, às 19 horas - VERDADE



VERDADE, este foi o nome dado ao dia de "Abertura das Atividades 2011" do “Instituto Cultural Companhia Bella de Artes", curiosamente na data de 1º de abril.  A Cia Bella de Artes, como é conhecida do público, é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) que atua na área cultural e artística em Poços de Caldas desde 2002. De lá pra cá vem desenvolvendo trabalhos através das artes cênicas, plásticas, música, literatura, cinema, dança, entre outras.


No final do ano passado, então com 8 anos de vida, a Companhia se viu com a necessidade de renovar e revigorar seus rumos e objetivos “era preciso repensar o papel do Instituto perante a sociedade Poços Caldense” explica Marina De Andrade, atual presidente do ICCBA. Pois bem, 6 meses se passaram e a Bella de Artes, agora, reabre suas portas para apresentar ao público suas novas diretrizes.


Como sua principal mudança, a Bella de Artes trás a idéia de não apenas ser uma entidade que apresenta um produto artístico finalizado mas, antes, um local de reflexão da criação contemporânea bem como o papel da arte na interpretação do meio local e externo.

Para tanto a Bella de Artes convida os artistas e o público para o dia que será o marco destas mudanças. Como já dito o dia da "Abertura das Atividades 2011" está marcado para 1º de abril às 19 horas e vem com o nome de VERDADE. “A arte é absolutamente verdadeira dentro dela, mas é uma mentira do lado de fora”, afirma Cláudio Guedes, "curador" da Galeria de Artes do Instituto Cultural Cia Bella de Artes. Cláudio Guedes, juntamente com amigos, será também o primeiro artista plástico a expor na "Galeria Mario Seguso" este ano e, sendo que na próxima sexta-feira, ocorrerá uma vernissage e a Exposição "Verdade" de suas obras.

A palavra "verdade" pode ter vários significados, desde “ser o caso”, “estar de acordo com os fatos ou a realidade”, ou ainda ser fiel às origens ou a um padrão. Usos mais antigos abarcavam o sentido de fidelidade, constância ou sinceridade em atos, palavras e caráter. Assim, "a verdade" pode significar o que é real ou possivelmente real dentro de um sistema de valores. Esta qualificação implica o imaginário, a realidade e a ficção, questões centrais tanto em antropologia cultural, artes, filosofia e a própria razão. Como não há um consenso entre filósofos e acadêmicos, várias teorias e visões acerca da verdade existem e continuam sendo debatidas.

Portanto, no dia 1º do de abril de 2011, sexta-feira, às 19 horas na sede do Instituto Cultural Companhia Bella de Artes (Rua Prefeito Chagas, 305 - PL - Edifício Manhattan - Centro - Poços de Caldas-MG) venha "buscar" ou "perder" a sua VERDADE! A VERDADE é subjetiva, objetiva, relativa ou absoluta?! Informações: (35) 3715-5563.

Dia 27 de março, dia NACIONAL DO CIRCO



O CIRCO SEM LONA

Pode-se dizer que as artes circenses surgiram na China, onde foram descobertas pinturas de quase 5.000 anos, em que aparecem acrobatas, contorcionistas e equilibristas. A acrobacia era uma forma de treinamento para os guerreiros, de quem se exigia agilidade, flexibilidade e força. Com o tempo, a essas qualidades se somou a graça, a beleza e a harmonia.

Em 108 a.C., houve uma grande festa em homenagem a visitantes estrangeiros, que foram brindados com apresentações acrobáticas surpreendentes. A partir daí, o imperador decidiu que todos os anos seriam realizados espetáculos do gênero durante o Festival da Primeira Lua. Até hoje, os aldeãos praticam malabarismo com espigas de milho e brincam de saltar e equilibrar imensos vasos nos pés.

Nas pirâmides do Egito, existem pinturas de malabaristas. Nos grandes desfiles militares dos faraós se exibiam animais ferozes das terras conquistadas, caracterizando os primeiros domadores.

Na Índia, os números de contorção e saltos fazem parte dos milenares espetáculos sagrados, junto com danças, música e canto.

Na Grécia, as paradas de mão, o equilíbrio mão a mão, os números de força e o contorcionismo eram modalidades olímpicas. Os sátiros faziam o povo rir, dando continuidade à linhagem dos palhaços...

No ano 70 a.C., em Pompéia, havia um anfiteatro destinado a exibições de habilidades incomuns.

O Circo Máximo de Roma apareceu pouco depois, mas foi destruído em um incêndio. Em 40 a.C., no mesmo local, foi construído o Coliseu, onde cabiam 87 mil espectadores. Lá, eram apresentadas excentricidades como homens louros nórdicos, animais exóticos, engolidores de fogo e gladiadores, entre outros. Porém, entre 54 e 68 d.C., as arenas passaram a ser ocupadas por espetáculos sangrentos, com a perseguição aos cristãos, que eram atirados às feras, diminuindo o interesse pelas artes circenses.

Os artistas passaram a improvisar suas apresentações em praças públicas, feiras e entradas de igrejas. Durante séculos, em feiras populares, barracas exibiram fenômenos, habilidades incomuns, truques mágicos e malabarismo.

No século XVIII, vários grupos de saltimbancos percorriam a Europa, especialmente a Inglaterra, França e Espanha. Eram freqüentes as exibições de destreza a cavalo, combates simulados e provas de equitação.

O CIRCO COMO ELE É

O primeiro circo europeu moderno, o Astley's Amphitheatre, foi inaugurado em Londres por volta de 1770, por Philip Astley, um oficial inglês da Cavalaria Britânica. O circo de Astley tinha um picadeiro com uma espécie de arquibancada perto. Ele construiu um anfiteatro suntuoso e fixo, pois ficaria permanentemente no mesmo lugar. Organizou um espetáculo eqüestre, com rigor e estrutura militares, mas percebeu que, para segurar o público, teria que reunir outras atrações; juntou, então, saltimbancos, equilibristas, saltadores e palhaço. O palhaço do batalhão era um soldado do campo, que acaba sendo o "clown", palavra que, em inglês, se origina de caipira. O palhaço não sabia montar, entrava no picadeiro montado ao contrário, caía do cavalo, subia de um lado, caía do outro, passava por baixo do cavalo. Como fazia muito sucesso, começaram a se desenvolver novas situações. Ao longo dos anos, Astley acrescentou saltos acrobáticos, dança com laços e malabarismo.

Este primeiro circo funcionava como um quartel: os uniformes, o rufar dos tambores e as vozes de comando para a execução dos números de risco. O próprio Astley dirigia e apresentava o espetáculo, criando assim, a figura do mestre de cerimônias.

Seu espetáculo foi visto por gente de todo o mundo, pois Londres era uma cidade muito visitada. E, em 50 anos, houve um rápido desenvolvimento do circo no mundo.

O termo "circus" foi utilizado pela primeira vez em 1782, quando o rival de Astley, Charles Hughes, abriu as portas do Royal Circus. Em princípios do século XIX, havia circos permanentes em algumas das grandes cidades européias. Existiam, além disso, circos ambulantes, que se deslocavam de cidade em cidade, em carretas cobertas.

O CIRCO NORTE-AMERICANO

John Bill Ricketts, inglês e aluno de Hughes, levou o circo para os Estados Unidos, em 1792, em turnê pelo nordeste americano. Seu circo foi destruído em um incêndio, o que o fez retornar para a Inglaterra, aonde não chegou, pois o navio em que viajava afundou em uma tempestade.

William Cameron Coup foi o primeiro a fazer um espetáculo circense de grandes dimensões, para uma platéia de mais de mil pessoas, em 1869, com espetáculo em dois picadeiros simultaneamente. Dois anos depois, associou-se a Phineas T. Barnum, um famoso apresentador, e abriram um grande circo em Nova York. A propaganda dizia que era “o maior espetáculo da Terra”.

Em 1881, Barnum juntou-se a James Anthony Bailey, fazendo surgir um circo ainda maior, o Barnum and Bailey, com três picadeiros simultâneos.

Em 1884, surgiu a poderosa dinastia circense dos irmãos Ringling, que absorveram, entre outras, a companhia de Barnum e Bailey, e se tornaram a maior organização itinerante do mundo. No entanto, depois da II Guerra Mundial, os custos de montagem e transporte tornaram inviável o traslado de semelhante estrutura.

O CIRCO NO BRASIL

No Brasil, mesmo antes do circo de Astley, já havia os ciganos que vieram da Europa, onde eram perseguidos. Sempre houve ligação dos ciganos com o circo. Entre suas especialidades, incluíam-se a doma de ursos, o ilusionismo e as exibições com cavalos. Há relatos de que eles usavam tendas e nas festas sacras havia bagunça, bebedeira e exibições artísticas, incluindo teatro de bonecos. Eles viajavam de cidade em cidade e adaptavam seus espetáculos ao gosto da população local. Números que não faziam sucesso na cidade eram tirados do programa.

O circo com suas características, em geral itinerante, existe no Brasil a partir dos fins do século XIX. Os grupos circences desembarcavam em um porto importante, faziam seu espetáculo e partiam para outras cidades, descendo pelo litoral até o Rio da Prata, até chegar a Buenos Aires.

Instalando-se na periferia das grandes cidades e voltado para as classes populares, sua modernização não se deu em termos de espaço e equipamentos: investe no elemento humano, suas destrezas, habilidades e criatividade. Por isso, os palhaços são as figuras centrais e deles depende o sucesso do espetáculo.

O circo brasileiro tropicalizou algumas atrações. O palhaço brasileiro falava muito, ao contrário do europeu, que era mais mímico. Era mais conquistador e malandro, seresteiro, tocador de violão, com um humor picante. O público também apresentava características diferentes: os europeus iam ao circo a fim de apreciar a arte; no Brasil, os números perigosos eram as atrações: trapézio, animais selvagens e ferozes.

Segundo Alice Viveiros de Castro, existem atualmente mais de 2.000 circos espalhados pelo Brasil, sendo aproximadamente 80 médios e grandes, com trapézio de vôos, animais e grande elenco. Estima-se um público anual de 25 milhões de espectadores.

Entre os problemas enfrentados nos dias de hoje, estão o alto preço cobrado pelo aluguel dos terrenos e a proibição da instalação de circos em algumas cidades. Por vezes, as autoridades locais temem os “forasteiros”.

SURGE UM NOVO CIRCO

Atualmente, paralelamente aos circos itinerantes e tradicionais que ainda existem, a arte circense também é aprendida em escolas. Por uma mudança de valores, muitos circenses colocaram seus filhos para estudar e fazer um curso universitário. As novas gerações estão trabalhando com mais empenho na administração dos circos.

Surge um novo movimento, que pode ser chamado de Circo Contemporâneo. Não há uma data precisa do seu surgimento, mas pode-se dizer que o movimento começou no final dos anos 70, em vários países simultaneamente.

Na Austrália, com o Circus Oz (1978), e na Inglaterra, com os artistas de rua fazendo palhaços, truques com fogo, andando em pernas de pau e com suas mágicas.

Na França, a primeira escola de circo é a Escola Nacional de Circo Annie Fratellini. Annie era descendente da maior família de palhaços franceses, os Fratellini. A escola surge com o apoio do governo francês, em 1979. Ligados à escola ou não, começam a surgir vários grupos.

No Canadá, os ginastas começaram a dar aulas para alguns artistas performáticos e a fazer programas especiais para a televisão e em ginásios, em que os saltos acrobáticos eram mais circenses. Em 1981, criou-se a primeira escola de circo para atender à demanda dos artistas performáticos.

Em 1982, surge em Québec o Club des Talons Hauts, grupo de artistas em pernas de pau, malabaristas e pirofagistas. É esse grupo que, em 1984, realiza o primeiro espetáculo do Cirque du Soleil. Em decorrência do grande sucesso no Canadá, eles recebem apoio do governo para a primeira turnê nos Estados Unidos. A segunda turnê, em 1990, é assistida por 1.300.000 espectadores no Canadá e excursiona por 19 cidades americanas.

Surge a grande empresa de espetáculos que atualmente está em cartaz, com oito espetáculos diferentes, no mundo - em três continentes - com mais de 700 artistas contratados.

Voltando um pouco na história, é importante mencionar a influência da ex-União Soviética. Em 1921, o novo governo soviético resolve criar uma escola de circo e convida o prestigiado diretor de teatro Vsevolod Meyherhold para dirigi-la.

O contato entre os tradicionais do circo e a vanguarda do teatro resulta na criação de uma escola que coloca o circo num patamar de arte. Dança clássica e teatro fazem parte do currículo. É criada uma forma de espetáculo com temas vairados e uma apresentação inteiramente nova. São criados novos aparelhos, diretores são chamados para dirigir os espetáculos, músicos fazem composições especiais e sob medida.

O CIRCO CONTEMPORÂNEO BRASILEIRO

A primeira escola que se instalou no Brasil chamava-se Piolin, em São Paulo, no estádio do Pacaembu (1977). Em 1982, surgiu a Escola Nacional de Circo, no Rio de Janeiro, onde jovens de todas as classes sociais têm acesso às técnicas circenses. Formados, os ex-alunos vão trabalhar nos circos brasileiros ou no exterior, ou formam grupos que se apresentam em teatros, ginásios e praças.

Atualmente, a Intrépida Trupe, os Acrobáticos Fratelli, os Parlapatões, Patifes e Paspalhões, a Nau de Ícaros, o Circo Mínimo, o La Mínima, o Circo Escola Picadeiro, a Linhas Aéreas e o Teatro de Anônimo, entre outros, formam o Circo Contemporâneo Brasileiro.

Pesquisa: site Central do Circo

Dia 27 de março, dia MUNDIAL DO TEATRO

Teatro antigo, suas galerias, camarotes e as faces da comédia e da tragédia
O dia mundial do teatro foi criado em 1961, pelo Instituto Internacional do Teatro (ITI), data da inauguração do Teatro das Nações, em Paris.
O marco principal do surgimento do teatro foi a reunião de um grupo de pessoas em uma pedreira, que se reuniram nas proximidades de uma fogueira para se aquecer do frio.
A fogueira fazia refletir a imagem das pessoas na parede, o que levou um rapaz a se levantar e fazer gestos engraçados que se refletiam em sombras. Um texto improvisado acompanhava as imagens, trazendo a ideia de personagens fracos, fortes, oprimidos, opressores e até de Deus e do diabo, segundo conta Margarida Saraiva, da Escola Superior de Teatro e Cinema, de Portugal.
A representação existe desde os tempos primitivos, quando os homens imitavam os animais, para contar aos outros como eles eram e o que faziam, se eram bravos, se atacavam, ou seja, era a necessidade de comunicação entre os homens.
As homenagens aos deuses também favoreceram o aparecimento do teatro. Na época das colheitas da uva, as pessoas faziam encenações em agradecimento ao deus Dionísio (deus do vinho), pela boa safra de uvas colhidas, assim, sacrificavam um bode, trazendo para a comemoração os primeiros indícios da tragédia.
Os povos da Grécia antiga transformaram essas encenações em arte, criando os primeiros espaços próprios, para que fossem divulgadas suas ideias, as mitologias, agradecimentos aos vários deuses, dentre outros assuntos.
O gênero trágico foi o primeiro a aparecer, retratava o sofrimento do homem, sua luta contra a fatalidade, as causas da nobreza, numa linguagem bem rica e diversificada. Os maiores escritores da tragédia foram Sófocles e Eurípedes.
Nessa época, somente os homens podiam representar, assim, diante da necessidade de simular os papéis femininos, as primeiras máscaras foram criadas e mais tarde transformadas nas faces que representam a tragédia e a comédia; máscaras que simbolizam o teatro.
O gênero cômico surgiu para satirizar os excessos, as falsidades, as mesquinharias. Um dos principais autores de comédia foi Aristófanes, que escreveu mais de quarenta peças teatrais.
Nas primeiras representações, a comédia não foi bem vista, pois os homens da época valorizavam muito mais a tragédia, considerando-a mais rica e bonita. Somente com o surgimento da democracia, no século V a.C, a comédia passou a ser mais aceita, como forma de ridicularizar os principais fatos políticos da época.
Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

sábado, 26 de março de 2011

V Festival Amador de Monólogos de São João da Boa Vista e Região


V MONOFEST
V Festival Amador de Monólogos de São João da Boa Vista e Região 


Oficinas oferecidas em parceria com a Prefeitura Municipal de São João e ASSAOC – Oficinas Culturais Guiomar Novaes

Importante: As oficinas são gratuitas. E para cada uma são oferecidas quinze vagas. Para reservar sua vaga e realizar a sua inscrição encaminhe e-mail para republiartes@yahoo.com.

26 de Março

10 às 13 horas – Workshop “Fotografia para o teatro”. Ana Paula Maia
14:30 às 17:30 – Construção do personagem através do temperamento do Circo Teatro. Kátia Daher

27 de março

10:30 às 13:30 hs - A preparação do ator: o trabalho que antecede a cena.Fátima Monis
14:30 hs às 17:30 hs.- A voz em movimento no jogo cênico. Simone Evaristo

Release das Oficinas e apresentação dos profissionais convidados.

Ana Paula Maia : Workshop de fotografia para teatro
O workshop abordará o uso das câmeras digitais convencionais para fotografar peças de teatro. Os alunos serão instruídos como reconhecer os melhores momentos para captar a foto, os melhores ângulos, como usar a luz e as sombras a seu favor, e ainda dicas de comportamento durante a peça.
Aula prática durante o V Monofest onde serão tiradas fotos dos espetáculos e, na sequência a melhor foto de cada espetáculo será reproduzida e exposta nas Oficinas Culturais Guiomar Novaes – Casa Rosa.

Kátia Daher - O Circo-Teatro - interpretação direcionada à dramaturgia circense.
Oficina teórico-prática que expõe a pesquisa desenvolvida pelo grupo Os Fofos Encenam, na qual o encontro com o ator popular brasileiro e a experimentação da interpretação tipificada dos personagens da dramaturgia do Circo-Teatro, são as bases do trabalho desenvolvido no grupo pelo diretor Fernando Neves na direção dos espetáculos A Mulher do Trem e Ferro em Brasa.
Galãs, ingênuas, sobretes, coquetes, cômicos, damas-galã, baixo-cômicos, compõe a galeria de tipos presentes nas comédias e melodramas do repertório das famílias circenses.
Através desta dramaturgia, o trabalho de composição dos personagens-tipo ganha força e direciona a elaboração da estética circense.
Os exercícios que revelam o temperamento artístico de cada ator, guiam o trabalho, tornando-se o alicerce da interpretação dos atores dentro desta linguagem.

Fátima Monis : A preparação do ator: o trabalho que antecede a cena.

Na oficina serão vivenciados algumas dinâmicas de expressão corporal e vocal para que o ator profissional ou amador utilize em seu fazer teatral. Nela os interessados também entrarão em contato com algumas técnicas do treinamento teatral, com um processo de criação mais autoral. Faremos uma discussão sobre o ator, sua preparação, o trabalho colaborativo, apresentando aos participantes alguns autores e conceitos sobre o trabalho e preparação do ator/compositor. 

Simone Evaristo: A voz em movimento no jogo cênico

Neste encontro abordaremos recursos para desenvolver o trabalho vocal e corporal do ator, partindo do princípio de que voz e corpo, palavra e ação caminham juntas na construção da cena. Focaremos nos trabalhos de respiração, relaxamento e jogo cênico. Trabalharemos técnicas de atuação e noções de composição de personagens através dos recursos vocais. Esse encontro é destinado a pessoas interessadas em conhecer melhor o trabalho vocal voltado para o teatro. É necessário que cada participante traga um trecho de um texto de sua preferência decorado e também impresso para o workshop.

“Cada indivíduo é um instrumento único com a natureza de tocar e ser tocado.”
Madalena Bernardes

Observação: Para todas as oficinas pede-se idade mínima de 15 anos e roupa adequada para realizar exercícios físicos.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Diretoria e parceiros do ICCBA se reúnem para acertar os detalhes de PRIMIERO DE ABRIL "VERDADE"



A Diretoria e Parceiros do Instituto Cultural Companhia Bella de Artes tem se reunido com frequência para acertar todos os detalhes da Reabertura das Atividades 2011, no dia

que iniciará às 19 horas com apresentações de dança, música e teatro no "Teatro Nicionelly Carvalho", seguido da Vernissage da Exposição "VERDADE" do artista plástico "CLÁUDIO GUEDES" na Galeria de Artes.

No mês de abril/2011 ainda teremos os seguintes eventos:

ENCARTE MUSICAL: dia 07/04, quinta-feira, às 20 horas

LUZ, CÂMERA E REFLEXÃO: dia 05, 12, 19 e 26/04 - toda terça-feira às 20 horas

SARAU DE POESIA: dia 28/04, última quinta-feira às 20 horas

No dia 13/04/2011às 9 horas no Teatro Nicionelly Carvalho ocorrerá a "Solenidade de Oficialização e Legitimação da “REDE PROTEJI POÇOS – Rede de Proteção à Juventude e Infância de Poços de Caldas-MG".

Maiores informações pelo telefone: (35) 3715-5563
www.ciabella.org.br

sexta-feira, 18 de março de 2011

quarta-feira, 16 de março de 2011

A partir de ABRIL, o SARAU DE POESIA do ICCBA está de volta! E como sempre, será na "última quinta-feira" de cada mês

A partir de Abril o já conhecido Projeto "Sarau de Poesia" do Instituto Cultural Companhia Bella de Artes retornará. E como sempre, O evento acontece, às 20h, no teatro Nicionelly Carvalho,  todas as últimas quintas-feiras de cada mês. O Projeto abre espaço para que as pessoas se manifestem, dando voz a seus próprios poemas ou simplesmente interpretando versos de autores reconhecidos.

Alguns Saraus já realizados pelo Instituto Cultural Companhia Bella de Artes


Sarau de Poesia da Cia Bella homenageia Cláudio Aguiar

Na noite desta quinta-feira (31), os amantes da literatura e da música têm encontro marcado em mais uma edição do Sarau de Poesia, que nesta edição, homenageia o poeta Cláudio Aguiar. O projeto, realizado pela Cia Bella de Artes, abre espaço para que as pessoas se manifestem, dando voz a seus próprios poemas ou simplesmente interpretando versos de autores reconhecidos. O evento acontece, às 20h, no teatro Nicionelly Carvalho.

Tendo como objetivo a valorização da produção literária da língua portuguesa, o Sarau de Poesia acontece todas as últimas quintas-feiras de cada mês. Nesta realização, o poeta cearense, Cláudio Aguiar será o homenageado. Com sólida carreira de ficcionista, ensaísta e poeta - com mais de uma dezena de títulos publicados - o literato Cláudio Aguiar também já teve obras traduzidas para o francês. Cearense de Ipueiras, Cláudio nasceu em 1944 e, a partir de 1962, radicou-se no Recife. Repórter em diversos jornais foi também colaborador literário do Jornal do Comércio e Diário de Pernambuco. No currículo, mais de uma dezena de prêmios literários nacionais e participação em diversas entidades culturais. 

Dentre suas obras, destacam-se: Exercício para o Salto (contos, 1972), Flor Destruída (teatro, 1976), Suplício de Frei Caneca (teatro, 1977), Antes que a Guerra Acabe (teatro, 1985), Lampião e os Meninos (novela, 1988), A Volta de Emanuel (romance, 1989), Os Espanhóis no Brasil (ensaio,1992), Brincantes do Belo Monte (teatro, 1993), Os Anjos Vingadores (romance, 1994), Semba, o Menino que não Devia Chorar (novela, 1995), A Corte Celestial (romance, 1996), Franklin Távora e o seu Tempo (biografia, 1997).

Fonte: ACS/Cia Bella
http://www.pocos-net.com.br/Noticia.asp?id=11096

Sarau de Poesias: Cia Bella homenageia Henriqueta Lisboa

Posted 26 de May de 2010 by PocosWeb in Cultura

A Cia Bella de Artes convida a todos para o Sarau de Poesias. Que, neste mês, traz homenagem à grande poeta Henriqueta Lisboa.

Henriqueta Lisboa (1901-1985), poeta mineira, foi a primeira mulher eleita para a Academia Mineira de Letras em 1963.

Poeta sensível, dedicou sua vida à poesia. Considerada um dos grandes nomes da lírica modernista pela crítica especializada, Henriqueta manteve-se sempre atuante no diálogo com os escritores e intelectuais de sua geração e angariou muitos leitores ilustres durante sua vida, dentre eles Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Gabriela Mistral.

Sobre sua poesia, Drummond nos deixou o seguinte testemunho: “Não haverá, em nosso acervo poético, instantes mais altos do que os atingidos por este tímido e esquivo poeta.”

O Sarau de Poesias será nesta quinta-feira, 27, às 20h e a entrada é franca. O evento acontece no Teatro Nicionelly Carvalho do Instituto Cultural Cia Bella de Artes, situado á Rua Prefeito Chagas, nº 305, Pilotis – Edifício Manhattam. Mais informações pelo telefone (35) 37155563 .

Fonte: Cia Bella de Artes
http://www.pocosweb.com.br/sarau-de-poesias-cia-bella-homenageia-henriqueta-lisboa/

Sarau de Poesias 25/10
25/10/07
Poeta Homenageado:
Paulo Leminski

domingo, 13 de março de 2011

A Biblioteca das Artes do Instituto Cultural Companhia Bella de Artes voltará a funcionar a partir de Abril/2011

A partir de abril as portas serão abertas 
Mario Seguso e Antonio Cândido




A partir de Primeiro de Abril, data em que inicia as atividades culturais e artísticas 2011 do Instituto Cultural Companhia Bella de Artes, a Biblioteca de Artes também voltará a funcionar. O acervo possui obras de referência em História, Filosofia, Sociologia e Antropologia, além de títulos em todos os campos da arte. O acerto conta com obras da História da Arte, de G. H. Gomrich, História mundial do teatro, de Margot Bertold, Danças Dramáticas do Brasil, de Mário de Andrade e Anotações de Da Vinci por ele mesmo, de Leonardo Da Vinci, dentre muitas outras.

Além de apreciar boa leitura, o leitor poderá desfrutar de ótimas acomodações e de um local acolhedor e aconchegante, sem qualquer custo.  

Abaixo segue duas matérias sobre a implantação da "Primeira Biblioteca de Artes do Sul de Minas".


Poços terá primeira Biblioteca de Artes do Sul de Minas

No próximo dia 15, o Instituto Cultural Cia Bella de Artes de Poços de Caldas inaugura a primeira Biblioteca de Artes do Sul de Minas Gerais. Diferente de outras entidades com acervos literários, os livros disponíveis nela serão todos voltados ao suporte de artistas ou interessados em cinema, música, artes plásticas e teatro, além de obras de análise literária. Com capacidade para cerca de 6 mil títulos, a Biblioteca trará títulos raros ou de difícil acesso do público em geral. 
Para pesquisadores e interessados em arte, que sofriam com a falta de acesso à literatura específica, o momento é de comemoração. O acervo terá obras de referência em História, Filosofia, Sociologia e Antropologia, além de títulos em todos os campos da arte. 
O conjunto inicial conta com livros de relevância cultural e artística como a História da Arte, de G. H. Gomrich, História mundial do teatro, de Margot Bertold, Danças Dramáticas do Brasil, de Mário de Andrade e Anotações de Da Vinci por ele mesmo, de Leonardo Da Vinci. 
O novo aparelho cultural da Cia Bella contará com um bibliotecário para orientar os pesquisadores e leitores. O acervo estará disponível para leitura e pesquisa. Além disso, população poderá encontrar o que deseja pela internet, acessando a página da Cia Bella (www.ciabella.org.br). O acervo poderá ser consultado on line, através do mesmo programa que gerencia as bibliotecas da Universidade Federal de Minas Gerais e da Academia Brasileira de Letras.
Antonio Candido
Sendo considerado um dos mais importantes intelectuais brasileiros, o professor Antonio Candido de Melo e Souza inspirou a criação da Biblioteca é estará em Poços de Caldas, especialmente para inaugurá-la. Nascido em 1918, ele exerceu também - e ainda exerce - um papel decisivo sobre os estudos literários hispano-americanos. Antonio Candido faz parte da história de Poços, já que ele não só passou a infância na cidade, como também escreveu alguns de seus mais brilhantes artigos nela. Por toda a relevância de seu trabalho, a Biblioteca das Artes terá uma prateleira especial para as obras do intelectual. 
Fonte: ACS/Cia Bella de Artes

Instituto Cultural Cia. Bella de Artes apresenta projeto de biblioteca de arte

J.M.Moreira
Poços-net

Fomentar o gosto pela literatura, o hábito da leitura e proporcionar oportunidade para difusão da produção literária brasileira e mundial: com esse objetivo, o Instituto Cultural Cia Bella de Artes formalizou um velho sonho e lançou na manhã desta terça-feira (6 mar), o projeto de implantação e construção da biblioteca Antônio Cândido, em homenagem ao renomado crítico literário, que passou boa parte de sua vida radicado em Poços de Caldas.

Durante a reunião realizada no departamento de Literatura e da Diretoria da instituição, ficou decidido o perfil do projeto de Sala de Leituras –que terá acesso público e gratuito, e capacidade de acervo - que será adquirido através de campanhas de doações e aquisições - de cerca de 6.000 exemplares, com destaque para as obras do universo das artes, em especial livros de referência em teatro, música, artes plásticas e visuais, além de cinema, fotografia, arquitetura, literatura, patrimônio cultural, dança e cultura popular.

Contando com um investimento de aproximadamente R$ 30 mil, o projeto será inaugurado no mês que vem e tem o apoio das Leis Federal e Estadual de Incentivo à Cultura e o patrocínio da estatal Gasmig e da Togni Refratários.

O projeto arquitetônico é assinado pelas arquitetas Marina Melo e Simony Teixeira, que apresentaram a maquete eletrônica da biblioteca (imagens).

“A literatura mantém viva a língua de um povo, tornando-se, além de meio de expressão e entretenimento, instrumento fundamental de unidade nacional.

Assim, é uma das pilastras de sustentação da cultura de uma nação. Sem ela, essa nação pode perder sua identidade cultural, decair e até desaparecer.

Sustentar a literatura viva e atuante, é obrigação da política cultural de qualquer governo ou instituição pública de fomento a cultura, além de uma obrigação de todo cidadão consciente”, analisa o produtor cultural e fundador do ICCBA, Giovanni Dias.

Segundo ele, a necessidade intrínseca de comunicação do ser humano o leva a criação e manutenção de uma língua, através da qual ele se expressa de maneira útil ou artística, criando uma das mais expressivas formas de arte: a Literatura. Nesse sentido, vale citar a poesia cristalina do mestre Carlos Drummond de Andrade: “Lutar com palavras é a luta mais vã, no entanto lutamos mal rompe a manhã”.

Para maiores informações (e doações de livros), favor entrar em contato pelo telefone (35)3715-5563 ou através do e-mail: ciabella@pocos-net.com.br.
...................
(fonte: ass. ICCBA)







sábado, 12 de março de 2011

ENCARTE MUSICAL: Dia 07/04/2011, às 19h45 - com "Nego Moura"

O Encarte Musical do dia 07 de abril terá a presença de Nego Moura, cantando músicas de sua autoria e feitas em parceria com alguns amigos.
O Encarte Musical é um evento criado pelo Instituto Cultural Cia Bella de Artes e o músico Rodrigo Lee, que visa a divulgação de trabalhos autorais e acontece no Teatro Nicionelly Carvallho - Instituto Cultural Cia Bella de Artes na primeira quinta-feira de cada mês.
Para saber mais sobre "Nego Moura", acessem o blog: http://negomoura.blogspot.com/
Fotos Priscilla Rennó

segunda-feira, 7 de março de 2011

ENCARTE MUSICAL: Dia 10/03/2011 (Quinta-Feira), às 19h45m - BANDA 7SEVEN

Encarte Musical e Rodrigo Lee apresentam Banda 7Seven 
Banda 7Seven
O Encarte Musical é um evento criado pelo Instituto Cultural Cia Bella de Artes e o músico Rodrigo Lee, que visa a divulgação de trabalhos autorais e acontece no Teatro Nicionelly Carvallho - Instituto Cultural Cia Bella de Artes na primeira quinta-feira de cada mês. O evento esse mês (10/03) contará com a presença da banda 7Seven. Formada em meados de 2008, influenciada por várias bandas como: Creed, Pearl Jam, 3 Doors Down, Red Hot Chili Peppers, Audioslave, RATM, Metallica, Charlie Brown Jr, Detonautas, entre outras, atualmente a 7Seven está em busca de seu primeiro álbum, trabalhando em suas composições e tentando cada vez mais conseguir um espaço no cenário independente. A formação da banda é: Lucas Souza: Voz e Guitarra, Tadeu Churros: Guitarra, Reginaldo Lourenço: Baixo e vocais e Rauny Araujo: Bateria

A entrada pra esse show é franca e a apresentação começará às 19:45h. Maiores informações no telefone (35) 3715-5563.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Poços têm 36 projetos aprovados na lei estadual de incentivo à cultura

Um RECORDE, podemos resumir nesta palavra o número expressivo de projetos aprovados por empreendedores e instituitos culturais de Poços de Caldas na lei estadual de incentivo à cultura. A cidade nunca teve tantos projetos aprovados na história da lei de incentivo estadual. Alguns projetos já são conhecidos e a vários anos vem sendo aprovado pela comissão estadual, podemos citar projetos como a Feira do Livro, Circuito Teatral, Museu Histórico e Geográfico, Coral Camargo e Guarnieri, projetos dos produtores Gabriel Guerra e Margarida Valente, Associação Candeias e Cia Bella de Artes. Juntando aos campeões de aprovação na cidade um grupo de novos empreendedores e projetos culturais estarão buscando promover ainda mais a cultura de Poços.

Desde já vale uma campanha de conscientização das empresas pagadoras de ICMS para apoiar estes projetos e a criação de uma rede de empreendedores através doblog/site Cultura de Poços para comunicação, troca de ideias, experiências, alternativas de captação de recursos e apoio da Divisão de Cultura na logística e acontecimento destes projetos em nossa cidade.

Sugestão do blog: O CA (Certificado de Aprovação) deverá ser retirado na Secretaria de Estado de Cultura a partir do dia 03 de Março. Um empreendedor ou representante da Divisão de Cultura poderia se prontificar a retirar todos os 36 (trinta e seis) CA´s em Belo Horizonte mediante procuração do empreendedor do projeto. Facilitaria para todos os contemplados e creio que todos estarão dispostos a colaborar com a tradicional "vaquinha".

Confira os projetos aprovados (Ordem de Protocolos).

1) Nome do Projeto: Manutenção da Associação Coral Camargo Guarnieri de Poços de Caldas - 2011
Empreendedor: Associação Coral Camargo Guarnieri de Poços de Caldas

2) Nome do Projeto: Entre Cantos e Toques
Empreendedor: Nilza Pereira do Lago

3) Nome do Projeto: Tributo à Ópera do Malandro
Empreendedor: Maria Inês Lobão Dário

4) Nome do Projeto: Música Urbana: Revista Musical e Cultural
Empreendedor: Rodrigo Andery Busatte

5)Nome do Projeto: Zevaristo e Convidados
Empreendedor: Clésio Roque Tardelli

6)Nome do Projeto: Cantos na Escola - Ano 2
Empreendedor: Cláudio Scassiotti

7)Nome do Projeto: Música em Minas II
Empreendedor: Daniel Carlos Cancian

8)Nome do Projeto: Radar Musical: Música para Todos os Gostos
Empreendedor: Leandro Tavares Bertozzi

9)Nome do Projeto: Gabriel Guerra Pé na Estrada: Segunda Temporada
Empreendedor: Gabriel de Carvalho Guerra

10)Nome do Projeto: Capoerarte
Empreendedor: João Batista Sena

11)Nome do Projeto: Oficina de Teatro
Empreendedor: Associação Círculo de Arte Com Ciência

12)Nome do Projeto: I Expo Bengala
Empreendedor: Rosana Lovato Caliari

13)Nome do Projeto: Buraco de Agulha/ Guia Prático e Curiosidades da Fotografia Pinhole
Empreendedor: Sérgio Lopes Fernandes

14)Nome do Projeto: Cultura Popular em Poços de Caldas
Empreendedor: Cristiane Fernandes

15)Nome do Projeto: Orquestras que Interagem em Poços de Caldas
Empreendedor: Associação Amigos do Conservatório

16)Nome do Projeto: Concepção Urbana "A Cultura Hip Hop em Foco"
Empreendedor: Mário Damião de Castro Júnior

17)Nome do Projeto: Circuito Teatral: Ruas, Espaços e Praças de Minas
Empreendedor: Juliana de Almeida

18)Nome do Projeto: Redescobrindo o Natal em Minas Gerais
Empreendedor: Marlene de Fátima Silva

19)Nome do Projeto: Turnê: As Beatas
Empreendedor: Felipe de Campos Ferreira

20)Nome do Projeto: O Amor é Fodido
Empreendedor: Raquel Zangiacomi Luis Pereira

21)Nome do Projeto: Projeto de Acessibilidade para O Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas
Empreendedor: Associação Amigos do Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas

22)Nome do Projeto: URUCUNGO - Cânticos Negros e Inflexões
Empreendedor: Jesuane Salvador

23)Nome do Projeto: Cultura de Rua Power Dance
Empreendedor: Régis Messias Reis

24)Nome do Projeto: Rasgacêro e os Arterôs Geraes
Empreendedor: Ricardo Evandro de Oliveira Valias

25)Nome do Projeto: Projeto Sulfurarte
Empreendedor: Geraldo Santos Costa

26)Nome do Projeto: Choro na Praça
Empreendedor: Geraldo Santos Costa

27)Nome do Projeto: Um Bom Começo
Empreendedor: Margarida Maria Abraão Valente

28)Nome do Projeto: Festa UAI 2010 - O Folclore na Festa UAI
Empreendedor: Margarida Maria Abrão Valente

29)Nome do Projeto: Zumbimba
Empreendedor: Associação Candeias de Capoeira Poços de Caldas

30)Nome do Projeto: Manutenção do Instituto Cultural Companhia Bella de Artes -ICCBA
Empreendedor: Instituto Cultural Cia Bella de Artes




31)Nome do Projeto: Letras Mágicas
Empreendedor: Associação dos Amigos das Bibliotecas Públicas Municipal de Poços de Caldas



32)Nome do Projeto: Manutenção da Associação Coral Camargo Guarnieri de Poços de Caldas - 2011
Empreendedor: Associação Coral Camargo Guarnieri de Poços de Caldas



33)Nome do Projeto: 6ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas e Flipoços 2011
Empreendedor: Gisele Selmar Corrêa Castro Ferreira

34)Nome do Projeto: 4º Poços de Caldas Jazz & Blues Festival
Empreendedor: Luciano Corrêa Machado

35)Nome do Projeto: Memórias e Outras Sensibilidades
Empreendedor: Darcy Ladeira Dias



36)Nome do Projeto: Quando as Luzes se Apagam
Empreendedor: Orlando Gaiga


http://www.culturadepocos.com/2011/03/pocos-tem-36-projetos-aprovados-na-lei.html